Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/1190
Tipo do documento: Tese
Título: DENSIDADE DE MADEIRA E ALOMETRIA DE ÁRVORES EM FLORESTAS DO ARCO DO DESMATAMENTO : IMPLICAÇÕES PARA BIOMASSA E EMISSÃO DE CARBONO A PARTIR DE MUDANÇAS DE USO DA TERRA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA
Autor: Nogueira, Euler Melo 
Primeiro orientador: Fearnside, Philip Martin
Primeiro coorientador: Nelson, Bruce Walker
Primeiro membro da banca: Laurance, William
Segundo membro da banca: Magnusson, William Ernest
Terceiro membro da banca: Luizão, Flavio Jesus
Quarto membro da banca: Nascimento, Henrique Eduardo Mendonca
Quinto membro da banca: Castilho, Carolina Volkmer de
Resumo: Incertezas nas estimativas de biomassa são a principal causa de incertezas nas estimativas de emissão de gases de efeito estufa na Amazônia. Os resultados apresentados neste estudo reduzem as incertezas nas estimativas de biomassa acima do solo, particularmente no sul e sudoeste da Amazônia brasileira (SSWA), regiões inseridas no arco do desmatamento . No Capítulo I novos dados de densidade de madeira obtidos nas florestas da região SSWA (403 árvores identificadas em nível de espécie e gênero) foram combinados com os inventários de volume de madeira produzidos pelo Projeto RadamBrasil (1973-1983). A área de cada unidade de vegetação, definidas pela intersecção entre tipos de florestas mapeados e divisão geopolítica dos estados, foi utilizada para obter a densidade de madeira média (0,583 g cm-3) para toda a região SSWA. Esta média é 13,6% menor do que o valor utilizado para esta região em estimativas prévias. A média de 0,642 g cm-3 foi obtida para a Amazônia brasileira como um todo, a partir das novas estimativas para as florestas da porção SSWA juntamente com estimativas para as outras regiões da Amazônia, corrigidas para a variação radial (-5,3%). A nova média de densidade é 7% menor que a média anteriormente estimada para a Amazônia brasileira: 0,69 g cm-3. O impacto sobre as estimativas de biomassa e emissão de carbono é substancial porque a redução é maior em tipos de floresta sob maior desmatamento. Para 1990, com 13,8 × 103 km2 de desmatamento, as emissões para a Amazônia brasileira seriam reduzidas por 23,4-24,4 × 106 Mg CO2-equivalente C/ano (para cenários de gás-traço alto e baixo), ou 9,4-9,5% da emissão grossa e 10,7% da emissão líquida comprometida, ambas excluindo o solo. No Capítulo II foram avaliadas relações lineares que descrevem a variação radial da densidade para árvores em floresta densa na Amazônia central (CA) e desenvolvidas novas relações para árvores em floresta aberta no sul da Amazônia (SA). A relação linear descrita na CA para a variação da densidade ao longo do fuste é similar para árvores no SA (p = 0,144). Também é demonstrado que as árvores no sul da Amazônia possuem conteúdo de umidade no fuste significativamente maior (0,416 ± 0,068 SD; n = 223) do que em árvores na CA (0,38; n = 50). O conteúdo de umidade tem uma forte relação inversa com a densidade básica da madeira, o que explica o menor conteúdo de umidade nas árvores na CA comparado ao SA. No Capítulo III é demonstrado que na CA as árvores são mais altas para um dado diâmetro que em florestas abertas dominadas por bambu e densas livres de bambu, no sudoeste da Amazônia (SW), bem como em florestas abertas no sul da Amazônia (SA). O impacto sobre as estimativas de biomassa foram respectivamente -11,0%, -6,2% e -3,6%. Isto sugere que a estimativa da Comunicação Nacional Brasileira no âmbito da Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudanças Climáticas requer redução. As relações observadas entre diâmetro e altura foram inconsistentes com a suposição da teoria de ecologia metabólica e reforça o argumento que o expoente escalar alométrico varia em florestas sobre diferentes substratos ou com diferentes níveis de distúrbios naturais. No Capítulo IV é apresentada nova equação alométrica para estimativa de biomassa desenvolvida a partir de árvores diretamente pesadas no SA e equações para estimativas do volume do fuste na CA e no SA. Estas equações foram utilizadas para aperfeiçoar o modelo de biomassa historicamente aplicado na Amazônia, que se baseia em inventários de volume de madeira em larga-escala. Nova estimativa de biomassa foi produzida para a Amazônia brasileira incorporando novos valores de densidade de madeira, correções para incertezas em estimativa de volume de madeira e fatores utilizados para adicionar o volume dos fustes de pequenas árvores e biomassa das copas. Considerando todos os ajustes, o mapa indica estoque de 125,4 Pg (=1015 g) de biomassa seca (acima e abaixo do solo) para áreas originalmente florestadas na Amazônia Legal Brazileira (104,2 Pg somente acima do solo) no período dos inventários do RadamBrasil, portanto antes que intensivos desmatamentos tivessem ocorrido na região. Se as áreas desmatadas até 2006 forem eliminadas do cálculo, excluindo agricultura, pastagens e vegetação de floresta secundária, a estimativa de biomassa seca estocada é reduzida para 113,3 e 94,2 Pg (acima e abaixo do solo, e somente acima do solo).
Abstract: Uncertainties in biomass estimates are the main source of uncertainty in estimates of greenhouse-gas emissions in Amazonia. The results presented in this study reduce the uncertainties in estimates of above-ground biomass, particularly in the southern and southwestern portions of the Brazilian Amazon (SSWA), which are in the arc of deforestation. In Chapter I new data on wood density obtained in the forests of the SSWA area (403 trees identified to species or genus) are combined with the inventories of wood volume produced by Projeto RadamBrasil (1973-1983). The area of each vegetation unit, defined as the intersection among forest types and the boundaries of the nine states in Brazilian Amazonia, was used to calculate a mean wood density of 0.583 g.cm-3 for the SSWA as a whole. This average is 13.6% lower than the value used for this area in previous estimates. An average of 0.642 g.cm-3 was obtained for the Brazilian Amazon as a whole, starting from the new estimates for the forests of the SSWA together with estimates for the other areas of Amazonia, corrected for radial variation (-5.3%). The new density average is 7% lower than the average previously used for the Brazilian Amazon (0.69 g.cm-3). The impact on estimates of biomass and carbon emission is substantial because the reduction is largest in the forest types experiencing the most rapid deforestation. For 1990, with 13.8 × 103 km2 of deforestation, the estimated emission for the Brazilian Amazon would be reduced by 23.4-24.4 × 106 CO2-equivalent Mg C/year (for high and low trace-gas scenarios), or 9.4- 9.5% of the gross emission and 10.7% of the net committed emission, both excluding the soil. In Chapter II linear relationships were appraised that describe the radial variation of density for trees in dense forest in the central Amazon (CA) and new relationships are developed for trees in open forest in the southern Amazon (SA). The linear relationship described in CA for the variation of density along the bole is similar for trees in SA (p = 0.144). It is also demonstrated that the trees in the southern Amazon have significantly higher humidity content in their boles (0.416 ± 0.068 SD; n = 223) than do trees in CA (0.38; n = 50). Moisture content of the bole had a strong inverse relationship with basic wood density and explains the lower moisture content in the trees in CA relative to SA. In Chapter III CA trees are shown to be taller for any given diameter than they are in bamboo-dominated dense forests, bamboo-free dense forests and open forests in the southwestern Amazon (SW), as well as in the open forests of the southern Amazon (SA). The impact on biomass estimates is - 11.0%, -6.2% and -3.6%, respectively. This suggests that the estimate of the Brazilian National Communication to the United Nations Framework Convention on Climate Change requires revision. The relationships observed between diameter and height were inconsistent with the assumptions of metabolic ecological theory and the findings reinforce the argument that the scalar allometric exponent varies among forests growing on different substrata or with different levels of natural disturbance. In Chapter IV new allometric equations for biomass are derived starting from trees weighed directly in SA and from equations for estimates of volume of the bole in CA and in SA. These equations were used to improve the biomass model historically applied in Amazonia, which is based on large-scale inventories of wood volume. A new biomass estimate is produced for the Brazilian Amazon incorporating new values of wood density, corrections for uncertainties in estimates of wood volume and new values for factors used to add the volume of the boles of small trees and the biomass of the crowns. Considering all adjustments the biomass map indicates average biomass of 125.4 Pg (=1015 g) dry weight (above-ground + below-ground) for originally forested areas in the Brazilian Legal Amazon as a whole (104.2 Pg for above-ground only) at the time of the RadamBrasil inventories, which was before intensive deforestation had occurred in the region. If areas deforested through 2006 are eliminated, excluding agriculture, pasture and secondary forest vegetation, the estimation of dry biomass storage was reduced to 113.3 and 94.2 Pg (aboveground + below-ground and only above ground).
Palavras-chave: Aquecimento Global
Biomassa
Densidade de madeira
Alometria
Arco do desmatamento
Amazônia
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::RECURSOS FLORESTAIS E ENGENHARIA FLORESTAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Departamento: Manejo florestal, Silvicultura
Programa: Ciências de Florestas Tropicais
Citação: NOGUEIRA, Euler Melo. DENSIDADE DE MADEIRA E ALOMETRIA DE ÁRVORES EM FLORESTAS DO ARCO DO DESMATAMENTO : IMPLICAÇÕES PARA BIOMASSA E EMISSÃO DE CARBONO A PARTIR DE MUDANÇAS DE USO DA TERRA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA. 2008. 151 f. Tese (Doutorado em Manejo florestal, Silvicultura) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/1190
Data de defesa: 12-Fev-2008
Aparece nas coleções:Doutorado - CFT

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Tese_ Nogueira.pdf2,23 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.