Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/711
Tipo do documento: Dissertação
Título: Caracterização de locos microssatélites em duas de abelhas espécies da região amazônica: Melipona compressipes e Melipona seminigra (Hymenoptera: Apidae: Meliponina).
Autor: Pinto, Maria de Fátima Ferreira da Costa 
Primeiro orientador: Carvalho-zilse, Gislene Almeida
Primeiro membro da banca: Bonetti, Ana Maria
Segundo membro da banca: Arias, Maria Cristina
Terceiro membro da banca: Campos, Lucio Antonio de Oliveira
Quarto membro da banca: Clement, Charles Roland
Quinto membro da banca: Lama, Marco Antonio Del
Resumo: As abelhas sem ferrão, além de serem as principais responsáveis pela polinização da flora nativa, têm uma grande importância como fonte de renda para muitas famílias ribeirinhas do Amazonas. A exploração extrativista das abelhas jupará (Melipona compressipes) e jandaíra (M. seminigra) no estado vêm se desenvolvendo há décadas sem nenhum plano de manejo e conservação para populações naturais ou de cativeiro. A necessidade de conservação, manejo e recuperação de populações degradadas requer uma abordagem que envolva não somente aspectos demográficos e ecológicos, mas também a genética de populações. O enfoque genético, pela caracterização da estrutura genética e do tamanho efetivo, em populações com diferentes níveis de intervenção antrópica, constitui uma ferramenta adequada para ser utilizada neste tipo de estudo. Visando traçar planos de conservação e desenvolvimento sustentável, este trabalho objetivou caracterizar locos microssatélites em M. compressipes e M. seminigra, analisar a distribuição e as freqüências alélicas destes locos para ambas as espécies e comparar a variabilidade genética entre colméias naturais e manejadas em diferentes localidades dos municípios do Amazonas. Para caracterização dos locos, foram amostradas 13 colméias (5 operárias/colméia) de M. compressipes nos municípios de Jutaí, Manaus, Urucará e Parintins; e 18 colméias (5 operárias/colméia) de M. seminigra nos municípios de Alvarães, Manaus, Cacau Pirera, Careiro Castanho e Urucará. Para comparação entre colméias naturais e manejadas, foram amostradas 54 colméias (27 naturais e 27 manejadas) de M. compressipes (2 indivíduos/colméia) e 18 (10 manejadas e 8 naturais) de M. seminigra (5 indivíduos/colônia). Utilizando primers microssatélites heterólogos desenvolvidos para M. bicolor, foram amplificados cinco locos em M. compressipes, e quatro em M. seminigra. M. compressipes apresentou um total de 20 alelos diferentes, variando entre três a sete alelos/loco enquanto M. seminigra teve 19 alelos variando entre quatro a seis alelos/loco. As freqüências e distribuição dos alelos variaram tanto em nível inter quanto intracolonial para ambas as espécies, com M. compressipes apresentando maiores índices de heterozigosidade observada que M. seminigra. Percebeu-se uma clara hierarquia de variação genética: entre localidades, dentro da localidade e dentro da colméia. Ou seja, as colméias amostradas em uma mesma localidade apresentaram menor diversidade de alelos que colméias amostradas em diferentes localidades. A curta distância de dispersão e a presença de alelos exclusivos nas diferentes localidades, indicando um fluxo gênico restrito, sugerem que esteja ocorrendo uma estruturação genética em ambas as espécies no estado do Amazonas. M. compressipes apresentou um maior diversidade genética nas colméias manejadas que nas colméias naturais, o que pode ser reflexo de uma manipulação mais intensa das colméias por conta da troca de caixas e rainhas entre os meliponicultores no estado do Amazonas, aumentando a probabilidade de recombinações genotípicas e a heterozigosidade nas diferentes colméias. Em M. seminigra, ambos os tipos de colméias apresentaram índices de diversidade genética similares, indicando que a meliponicultura ainda tem pouca influencia na genética desta espécie no Amazonas. Considera-se, no entanto, que a exploração de seus recursos e as ações antrópicas (desmatamento, queimadas, dentre outras) ainda têm pouca influencia sobre as colméias de meliponíneos analisadas apesar de algumas colméias de M. seminigra apresentarem deficiência de heterozigotos que pode ser reflexo do pequeno número de amostras ou da presença de alelos nulos.
Abstract: Stingless bees, besides be main pollinators of the forest, have a great importance as source of income for many families in the Amazon. The exploration of stingless bees jupará (Melipona compressipes) and jandaíra (M. seminigra) comes developing without plan of handling and conservation for the species for decades. The necessity of conservation, handling and recovery of degraded populations requires a boarding that not only involves demographic and ecological aspects, but also the genetics populations. The genetic approach, through the characterization of the genetic structure in populations with different levels of intervention, constitutes a tool to be used in this type of study. To make a characterization of microsatellites loci and view allelic distribution and frequency of M. compressipes and M. seminigra in Amazon, we collect workers 13 colonies (5 workers/colony) of M. compressipes in Jutaí, Manaus, Urucará e Parintins; and 18 colonies (5 workers/colony) of M. seminigra in Alvarães, Manaus, Cacau Pirera, Careiro Castanho e Urucará. To compare the genetic divergence in natural and manipulated colonies, we collect 54 (27 naturals e 27 manipulated) of M. compressipes (2 workers/colony) and 18 (10 naturals e 8 manipulated) of M. seminigra (5 workers/colony). Using heterospecific primers originally designed for Melipona bicolor, five loci had been amplified in M. compressipes and four in M. seminigra. M. compressipes present 20 different alleles (3 to 7 alleles/locus) and M. seminigra had 19 alleles ( 4 to 6 alleles/locus). The frequencies and allele distribution varied among and within localities in both species, with M. compressipes presenting higher observed heterozygosity that M. seminigra. Both the species had presented greater intralocality genetic difference that interlocality. Short dispersion distance and the presence of exclusive alleles in the different localities, shows a restricted gene flow, suggest that a genetic structuration can being occur in the Amazonas. M. compressipes presented greater genetic variability in manipulated that natural colonies. It can be reflect of exchange of genetic material (colonies) among beekeepers. However, in M. seminigra both the types of beehives had presented similar genetic diversity, indicating that the meliponiculture still has little influences in the genetics of this species. We considered that resources exploration and antropic actions still have little influence on the analyzed species, although some beehives of M. seminigra to present heterozygous deficiency that can be reflected of the small number of samples or the presence of null alleles.
Palavras-chave: Abelha sem ferrão
Estrutura Genética de populações
Microssatelite
Melipona compressipes
Melipona seminigra
Amazônia
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::GENETICA::GENETICA ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Departamento: Genética, Conservação e Biologia Evolutiva
Programa: Genética, Conservação e Biologia Evolutiva
Citação: PINTO, Maria de Fátima Ferreira da Costa. Caracterização de locos microssatélites em duas de abelhas espécies da região amazônica: Melipona compressipes e Melipona seminigra (Hymenoptera: Apidae: Meliponina).. 2007. 66 f. Dissertação (Mestrado em Genética, Conservação e Biologia Evolutiva) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 2007.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/711
Data de defesa: 22-Jun-2007
Aparece nas coleções:Mestrado - (GCBEv)

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Dissertacao_Maria_Costa Pinto.pdf1,12 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.