Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/929
Tipo do documento: Tese
Título: ECOLOGIA E EXTRATIVISMO DA CASTANHEIRA (BERTHOLLETIA EXCELSA, LECYTHIDACEAE) EM DUAS REGIÕES DA AMAZÔNIA BRASILEIRA
Autor: Cano, Ricardo Scoles 
Primeiro orientador: Gribel, Rogério
Primeiro membro da banca: Clement, Charles Roland
Segundo membro da banca: Pereira, Henrique dos Santos
Terceiro membro da banca: Ferraz, Isolde Dorothea Kossmann
Quarto membro da banca: Mori, Scott A.
Quinto membro da banca: Balée, William
Resumo: A castanheira, Bertholletia excelsa, Lecythidaceae, é uma espécie arbórea emergente que forma aglomerações (castanhais) em florestas de terra firme da Amazônia. As áreas de maior concentração de B. excelsa são visitadas sazonalmente por castanheiros (coletores de castanha) para exploração das sementes da espécie, importante fonte de renda para as famílias rurais da região. O presente trabalho teve como objetivo analisar aspectos da ecologia da castanheira e sua estrutura demográfica em duas regiões da Amazônia Brasileira, com diferentes históricos de ocupação e formas de exploração: região do Rio Trombetas (Baixo Amazonas, Pará) e Lago do Capanã Grande (Rio Madeira, Amazonas). Os dados demográficos foram obtidos de 35 castanhais, 25 na região de Trombetas e 10 na região do Capanã Grande em parcelas compridas de 50 x 1.000 m, que cortavam os castanhais aproximadamente ao longo das trilhas percorridas pelos castanheiros. Os indicadores de regeneração foram correlacionados com possíveis variáveis explicativas relacionadas a fatores ecológicos, demográficos e extrativistas. De forma complementar, realizou-se um experimento de plantação de mudas juvenis de castanheira em três habitats (roçado, capoeira, castanhal) com a finalidade de monitorar o desempenho da planta em ambientes onde ela se estabelece de forma natural e/ou induzida, com diferentes condições de entrada de luz. A comparação entre as duas regiões de estudo sugere que a estrutura demográfica das populações é condicionada por fatores antrópicos pretéritos e contemporâneos. No Trombetas, região em que dados históricos sugerem um esvaziamento demográfico a partir do século XVI até um passado recente, a distribuição da população de B. excelsa é dominada por árvores de tamanho intermediário a grande, com pouca presença de jovens. Em contraste, no Rio Madeira, os castanhais apresentam a população de B. excelsa mais jovem, adensada e com maior número de recrutamentos, especialmente naqueles mais próximos aos assentamentos humanos. Os plantios experimentais de castanheira mostraram desenvolvimento muito superior das mudas em ambientes de pleno sol (roçados) do que no ambiente semi-sombreado (capoeira) ou sombreado (sub-bosque do castanhal). Os dados do presente estudo sugerem que a estrutura mais envelhecida no Trombetas seja conseqüência das poucas chances de regeneração desta espécie heliófita em florestas densas e maduras, com alto sombreamento. A castanheira, espécie pioneira de longa vida e produtora de sementes comestíveis, parece ser favorecida por atividades agrícolas e extrativistas passadas e/ou recentes. No Trombetas, testou-se também a influencia das atividades de remoção de sementes por castanheiros na regeneração da espécie. Os resultados não mostraram diferenças significativas entre os sítios com diferentes intensidades de coleta. Em Capanã Grande, igualmente não há qualquer evidencia de que áreas mais visitadas e coletadas apresentem menor regeneração de B. excelsa. Por tanto, não se pode afirmar que a remoção de sementes é prejudicial para a regeneração da espécie em ambas as regiões. Sugere-se que a dinâmica populacional da castanheira depende mais da longevidade dos adultos produtivos que das taxas de recrutamento das sementes produzidas. Nas regiões onde as populações de B. excelsa estão mais envelhecidas, recomenda-se adoção de medidas compensatórias como o enriquecimento com mudas de castanheira em áreas florestais abertas e semi-abertas para favorecer o rejuvenescimento das populações.
Abstract: The Brazil nut tree, Bertholletia excelsa (Lecythidaceae), is an emergent tree species that occurs in stands called castanhais in non-flooded, upland forests of the Amazon. The castanhais are seasonally visited by castanheiros (nut harvesters) during the period of fruit fall. The Brazil nut represents an essential income source for local communities living near the castanhais . This study aimed to examine the population ecology and the demographic structure of castanhais located in two regions of the Brazilian Amazon, with different historical occupation and contemporany exploitation regimes: the region of the Trombetas River (Lower Amazon, Pará State), and the Lake Capanã Grande (Madeira River, Middle Amazon, Amazonas State). Demographic and regeneration data were obtained from 35 stands, 25 in the Trombetas region and 10 in Capanã Grande, by means of long transects (50 x 1,000 m) placed approximately along the walking trails of harvesters. Three regeneration categories (seedlings, saplings, and juveniles) were correlated with possible explanatory variables related to ecological, demographic, and extractive factors. Additionally, we carried out a field trial planting Brazil nut saplings in three habitats (open field, early secondary vegetation, and forest understorey) in order to monitor the saplings performance in different light conditions. The contrasting population structure found between Trombetas and Capanã Grande populations suggest that ancient and contemporany anthropogenic activities have played important roles in shaping the demographic and regeneration patterns of B. excelsa in these regions. In Trombetas, a region in which historical data suggest the occurrence of a rapid human depopulation from the XVI century until the recent past, the B. excelsa stands are dominated by medium- and large-sized trees, with little presence of juveniles or seedlings. In contrast, in the Madeira River, the stands exhibit a younger and denser structure, with higher recruitment, especially those near human settlements. The experimental plantations showed a highly significant difference between treatments, with higher rates among saplings planted in the open fields than in the semi-shaded secondary growth or in the understorey. The data suggest that the older structure in Trombetas resulted from the limited chances of regeneration in the dense, stable, and mature forest of this region. On the other hand, regeneration of Brazil nut trees, a long-lived pioneer tree, seems to be favored by agricultural and extractive activities such as those occurring in the Capanã Grande region during the last decades. There was no evidence, for either study site, of decreasing regeneration in more intensely visited and harvested areas. The data suggest that the long term maintenance of the castanhal regeneration and productivity depends on some level of human-mediated forest disturbances. In the areas with very mature forests and ancient populations of B. excelsa, such as in the Trombetas region, the adoption of enrichment measures to compensate the low regeneration rate is recommended. In these areas, Brazil nut saplings should be planted in strategic sites such as large gaps, along of the forest edges, and in cleared areas nearby the local communities. However, the success of these initiatives, depends on the awareness and participation of the local communities in all of their phases, such as the planning, germplasm selection, nursery, sapling production, planting and monitoring of juvenile survivorship and development.
Palavras-chave: Ecologia humana
Demografia
Produtos florestais não madeireiros
Regeneração florestal Amazônia
Capanã Grande, Lago (AM)
Trombetas, Rio (PA)
Bertholetia excelsa
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Departamento: Capacidade de suporte, Ecologia animal, Ecologia vegetal, Ecossistemas, Interação inseto-planta, Lim
Programa: Biologia (Ecologia)
Citação: CANO, Ricardo Scoles. ECOLOGIA E EXTRATIVISMO DA CASTANHEIRA (BERTHOLLETIA EXCELSA, LECYTHIDACEAE) EM DUAS REGIÕES DA AMAZÔNIA BRASILEIRA. 2010. 209 f. Tese (Doutorado em Capacidade de suporte, Ecologia animal, Ecologia vegetal, Ecossistemas, Interação inseto-planta, Lim) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 2010.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/929
Data de defesa: 22-Jun-2010
Aparece nas coleções:Doutorado - ECO

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Tese_Ricardo_Scoles.pdf2,84 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.