Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/1655
Tipo do documento: Dissertação
Título: Comportamento social de antas (tapirus terrestris): relações de parentesco em uma paisagem fragmentada
Autor: Pinho, Gabriela Medeiros de 
Primeiro orientador: Venticinque, Eduardo Martins
Primeiro coorientador: Farias, Izeni Pires
Segundo coorientador: Silva, Anders Gonçalves da
Resumo: A área de vida média de antas é 2,6 Km2 na Amazônia, com alta sobreposição entre indivíduos, uma característica de espécies não territoriais. Entretanto, existe a evidência de que indivíduos regularmente percorrem as bordas de suas áreas de vida, o que indica o monitoramento de um território. Além disso, em reintroduções com a espécie Tapirus bairdii, foi registrado o ataque de indivíduos residentes aos introduzidos. Com objetivo de explorar esta aparente contradição e compreender o comportamento social das antas, nós sugerimos que as antas toleram indivíduos de áreas de vida adjacentes e sobrepostas se estes são parentes próximos. Para testar esta hipótese nós comparamos a proporção de relações entre indivíduos aparentados na escala individual (<3km) com a proporção em escala de paisagem (em todo o banco de dados). No total nós amostramos 63 amostras de fezes em que 24 foram genotipadas para cinco marcadores microssatélites (dos 14 testados). Os cinco loci foram informativos em termos de identificação individual: a probabilidade de identidade e de exclusão de parentesco foram 6,32x10-6 e 0,98, respectivamente. Tanto a AMOVA quanto o STRUCTURE sugeriram apenas uma população panmítica na área de estudo. A análise utilizando o programa COLONY em 22 indivíduos sugeriu como sistema de acasalamento mais provável para antas a poligamia e a partir deste modelo estimou dois pares de irmãos completos e 36 pares de meio irmãos, mas nenhuma relação parental-filhote no banco de dados. Em 19 casos de relações entre meio irmãos, os irmãos estavam localizados em margens opostas do reservatório. A distribuição de distâncias entre meio irmãos variou de 0,22 a 19,3km (média±sd; 10,6±5,14km) e não foi estatisticamente diferente da distribuição das distâncias entre indivíduos não aparentados (Mann-Whitney U=1; p > 0,05). A proporção de relações entre indivíduos aparentados nas duas escalas não foi diferente (G:0.11, 1 d.f., p>0.05). Desta forma, nós não encontramos suporte para nossa hipótese, sugerindo que antas não formam grupos sociais baseados no parentesco e os indivíduos meio-irmãos estão distribuídos na paisagem da mesma forma que os não aparentados. Este resultado sugere dispersão da prole ou do parental.
Abstract: Social behavior in Lowland Tapir (Tapirus terrestris): Kinship distribution in a fragmented landscape The lowland tapir’s mean home range is 2.6 Km2 in the Amazon with a high degree of overlap between individuals, a characteristic of a non-territorial species. In contrast to this observation, there is evidence that individuals regularly walk along the borders of their ranges suggesting some form of territoriality. Furthermore, at least in one reintroduction of Tapirus bairdii, resident tapirs were recorded attacking the reintroduced individuals, again suggesting territoriality. In order to explore this apparent contradiction and gain further insight into what drives tapir spacing behavior, we hypothesized that tapirs will tolerate individuals from adjacent and overlapping home ranges if they are closely related. To test this hypothesis we compared the proportion of kin relationships at individual scale (<3km) with the same proportion at landscape scale (using all the data set). In total, we sampled 63 fecal samples, of which 24 were successfully genotyped at five microsatellite loci (from 14 tested). The five loci were suitably informative in terms of individual identification: the probability of identity and the power of exclusion were 6.32x10-6 and 0.98, respectively. At the population scale, both AMOVA and STRUCTURE suggest that the samples were taken from a single panmictic population. At the individual level, analysis using COLONY across 22 individuals identified two full-sib pairs and 36 half-sib pairs, but no parent-offspring pairs, and suggests that the most likely mating system for tapirs is polygamy. The distribution of distances between half-sibs ranged from 0.22 to 19.3km (mean±sd; 10.6 ±5.14km) and was not statistically different from the distribution of unrelated individuals (Mann-Whitney U=1; p > 0.05). The proportion of kin relationships at the two scales was not different (G:0.11, 1 d.f., p>0.05). Thus, we did not find support for our hypothesis, suggesting that tapirs do not form social groups based on kinship and individuals up to a level of kinship of half-sibs were similarly distributed in the landscape as unrelated individuals. This result indicates that offspring or parents are dispersing.
Palavras-chave: Tapiridae
Genética de populações
Dispersão
Área(s) do CNPq: ZOOLOGIA::ZOOLOGIA APLICADA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Departamento: Coordenação de Pós Graduação (COPG)
Programa: Biologia (Ecologia)
Citação: PINHO, Gabriela Medeiros de. Comportamento social de antas (tapirus terrestris): relações de parentesco em uma paisagem fragmentada. Manaus: [s.n.], 2011. viii, 38 f.. Tese (Biologia (Ecologia)) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/1655
Data de defesa: 25-Nov-2011
Aparece nas coleções:Mestrado - ECO

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PG-ECO-INPA_MEST_vs final_Gabriela Pinho.pdf1,46 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.