Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2220
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorMoraes, Juliano Franco de-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/6223962918317278por
dc.contributor.advisor1Shepard Jr., Glenn Harvey-
dc.contributor.advisor-co1Clement, Charles Roland-
dc.date.accessioned2017-02-14T18:55:57Z-
dc.date.issued2016-02-19-
dc.identifier.citationMoraes, Juliano Franco de. Ecologia histórica de florestas da bacia do rio Içana, alto rio Negro, Amazonas: um legado Baniwa nas paisagens. 2016. 41f.. Dissertação( Biologia (Ecologia)) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus,2016 .por
dc.identifier.urihttp://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2220-
dc.description.resumoA floresta Amazônica é a maior floresta tropical do mundo e abriga uma enorme proporção da biodiversidade do planeta. Povos indígenas convivem com essa biodiversidade há milhares de anos e dela adquirem seu sustento por meio de um preciso conhecimento acerca das relações bióticas e abióticas. Durante muito tempo acreditou-se que em períodos pré-Colombianos esses povos não teriam se adaptado às condições da floresta - como solos pobres e ácidos, e baixa quantidade de proteína disponível - e que esse ambiente, considerado hostil pelo homem moderno, teria imposto grandes dificuldades aos povos, tornando-os meros animais passivos em meio ao “inferno verde” e não permitindo que grandes populações se firmassem. Entretanto, esse cenário tem sido modificado uma vez que pesquisas tem demonstrado que grandes populações indígenas pré-Colombianas viveram na floresta Amazônica e a alteraram por meio de mudanças em seu solo, sua composição de espécies e sua paisagem para que o ambiente florestal se tornasse adequado para atender suas demandas. Informações a respeito da maneira como esses povos modificaram as paisagens sem alterar a resiliência da floresta e preservando sua biodiversidade, assim como da extensão com que essas modificações ocorreram, permanecem pouco conhecidas, principalmente em florestas de interflúvio. Nosso objetivo nesse estudo foi avaliar o impacto antrópico, de séculos atrás, nas florestas de interflúvio da bacia do rio Içana, alto rio Negro, Brasil, e verificar se ele possui relação com a composição florística atual. Inventários florísticos foram realizados em 12 parcelas localizadas em florestas de áreas de antigo manejo Baniwa e 4 parcelas localizadas em florestas imemoriais para os Baniwa quanto ao manejo. Amostras de solo foram coletadas para análises de areia, ECEC, fósforo, carvão e pH. Entrevistas foram feitas com os indígenas para obtermos informações orais sobre o manejo das paisagens. As florestas de terra firme do território histórico Baniwa, localizado na bacia do rio Içana, que estão a até 750 m de quaisquer cursos d’água, contêm cerca de 14,7% de abundância de espécies arbóreas manejadas e são formadas por um mosaico de paisagens culturais (áreas habitadas abandonadas pelos Baniwa a mais de 200 anos) e paisagens antigas imemoriais (áreas que os Baniwa se referem como intactas há centenas de anos, não sabendo se foram ou não manejadas). Em paisagens culturais a abundância de espécies manejadas chegou a até 57% e a área basal total média foi de 41 ,4 m² ha-1, sendo 40% dessa biomassa pertencente às espécies manejadas. Paisagens antigas imemoriais contêm em média 7,7% de abundância de espécies manejadas e área basal total média de 35,1 m² ha-1 - com somente 8% pertencente a espécies manejadas. O manejo histórico Baniwa nas paisagens tornou os solos da região menos ácidos por meio de queima controlada que deixou grandes quantidades de carvão nos solos. Os dados de carvão, associados a dados biolinguísticos e históricos, nos permitem sugerir que o manejo ocorre na região há mais de 4000 anos, época em que os ancestrais Aruak dos Baniwa chegaram à região. Antigas malocas localizadas em meio as matas e antigas áreas de manejo em meio a floresta continham, no passado, grandes quantidades de espécies manejadas que estavam sob cuidados dos Baniwa. Uma vez abandonadas, essas áreas se transformaram em florestas maduras com abundância de espécies manejadas um legado Baniwa nas florestas deixado por meio da domesticação da paisagem. Assim como a domesticação das florestas de interflúvio da bacia do rio Içana, grandes porções de florestas de interflúvio da Amazônia podem ter sido domesticadas em períodos pré-Colombianos. Atualmente, muitas destas florestas estão distribuídas em muitos territórios indígenas, e mantê-las protegidas é fundamental para se evitar que milhares de espécies sejam extintas. Frente à expansão agrícola e à exploração madeireira, a proteção dessas florestas é um dos maiores desafios ambientais e deve ocorrer com auxílio dos povos que as manejam há séculos.por
dc.description.abstractThe Amazon rainforest is the largest rainforest of the world and is home to a large proportion of the planet's biodiversity. Indigenous peoples live with this biodiversity for thousands of years and it acquire their livelihood through a precise knowledge about the biotic and abiotic relations of the forest. For a long time it was believed that in pre-Columbian times these people would not have adapted to forest conditions - such as poor and acid soils, and low amount of protein available - and that this environment, considered hostile by modern man, would have imposed major difficulties to people, making them mere passive animals amid the "green hell" and not allowing large populations establish themselves. However, this scenario has been modified since research has shown that large pre-Columbian indigenous population lived in the Amazon rainforest and altered it through changes in soil, species composition and landscape to the forest environment became suitable to meet their demands. Information about the way these people changed the landscapes without changing the forest resilience and preserving biodiversity, as well as the extent to which these changes occurred, remain poorly known, particularly in interfluvial forests. Our goal in this study was to assess the human impact of centuries ago in interfluvial forests of Içana river basin, upper Negro river, Brazil, and to verify if it has relation with the current floristic composition. Floristic inventories were carried out in 12 plots located in old management forests and 4 plots located in immemorial forests to the Baniwa as regards the management. Soil samples were collected for analysis of sand, ECEC, phosphorus, carbon and pH. Interviews were performed with indigenous to obtain oral information about the management of landscapes. Interfluvial forests from the historical territory Baniwa, located in the basin of Içana river, which are up to 750 m of any water courses, contain about 1 4.7% of abundance of managed tree species and are formed by a mosaic of cultural landscapes (old inhabited areas abandoned by Baniwa over 200 years) and imemorial ancient landscapes (areas that Baniwa refer to as intact for hundreds of years, not knowing whether or not managed). In cultural landscapes the abundance of managed species reached up to 57% and the average total basal area was 41.4 m² ha-1, 40% of biomass belonging to the species managed. Immemorial ancient landscapes contain average 7.7% of abundance of managed species and avarage total basal area of 35.1 m² ha-1 - with only 8% belonging to managed species. The historical management Baniwa in landscapes became soil less acidic through controlled burns that left large amounts of charcoal. Charcoal data associated with biolinguísticos and historical data, allow us to suggest that the management occurs in the region for over 4000 years, a time when the ancestors of the Aruwak Baniwa arrived in the region. Old indigenous roundhouses located amid the forest, and old management areas amid forest contained in the past large amounts of managed species that were under care of the Baniwa. Once abandoned, these areas became mature forests with abundance of managed species - one Baniwa legacy left in the forests through the landscape domestication. As the domestication of forests interfluvial the basin Içana river, large portions of interfluvial Amazon forests may have been domesticated in preColumbian times. Currently, many of these forests are distributed in many indigenous territories and keep them protected is crucial to prevent thousands of species become extinct. Front to agricultural expansion and logging, protection of these forests is one of the greatest environmental challenges and must take place with the help of people who managed them for centurieseng
dc.description.provenanceSubmitted by Gizele Lima (gizele.lima@inpa.gov.br) on 2017-02-14T18:55:57Z No. of bitstreams: 2 DissertaçãoFinal.JulianoMoraes.pdf: 4520759 bytes, checksum: 0d30c5132b07027e6fd7650f96f7a35d (MD5) license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2017-02-14T18:55:57Z (GMT). No. of bitstreams: 2 DissertaçãoFinal.JulianoMoraes.pdf: 4520759 bytes, checksum: 0d30c5132b07027e6fd7650f96f7a35d (MD5) license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Previous issue date: 2016-02-19eng
dc.description.sponsorshipConselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPqpor
dc.formatapplication/pdf*
dc.languageporpor
dc.publisherInstituto Nacional de Pesquisas da Amazôniapor
dc.publisher.departmentCoordenação de Pós Graduação (COPG)por
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsINPApor
dc.publisher.programBiologia (Ecologia)por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/-
dc.subjectEcologia históricapor
dc.subjectTerritório Baniwapor
dc.subjectFloresta – Rio Içanapor
dc.titleEcologia histórica de florestas da bacia do rio Içana, alto rio Negro, Amazonas: um legado Baniwa nas paisagenspor
dc.typeDissertaçãopor
Aparece nas coleções:Mestrado - ECO

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DissertaçãoFinal.JulianoMoraes.pdf4,41 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons