Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2344
Tipo do documento: Tese
Título: Epífitas vasculares em florestas alagáveis de várzeas e igapós de águas pretas da Amazônia Central: padrões de riqueza, composição, diversidade e distribuição de espécies
Título(s) alternativo(s): Vascular epiphytes in várzeas and black-water igapós flooding forests in Central Amazon: richness, composition, diversity, and species distribution patterns
Autor: Quaresma, Adriano Costa 
Primeiro orientador: Piedade, Maria Teresa Fernandez
Resumo: Epífitas vasculares constituem parte importante do dossel das florestas tropicais, no entanto, estudos com foco no componente epifítico são escassos, sobretudo em florestas alagáveis na Amazônia. Isso dificulta a inclusão desse grupo de plantas em estratégias de conservação e também obscurece o próprio entendimento da dinâmica e funcionamento dos ecossistemas alagáveis. Em florestas de várzeas e igapós da Amazônia central, investigamos 1.121 indivíduos e 242 espécies arbóreas, das quais 343 (30,5%) árvores hospedaram 2.922 indivíduos e 96 espécies de epífitas vasculares, distribuídas em 59 gêneros e 13 famílias. A floresta de várzea foi mais rica e apresentou mais que o dobro de espécies de epífitas que a floresta de igapó. Apenas 15,6 % das espécies foram compartilhadas entre os ambientes, evidenciando que ambientes de várzeas e igapós são contrastantes em sua riqueza e composição de epífitas. As análises de alpha diversidade revelaram que o diâmetro da árvore se correlaciona positivamente com a diversidade de epífitas nos dois ambientes e, ao contrário, a diversidade arbórea não se correlacionou com a diversidade de epífitas. A diversidade beta entre várzea e igapó é gerada principalmente pela substituição das espécies e não pelo aninhamento. Por outro lado, as análises de distribuição mostraram que, na várzea, epífitas se distribuem horizontalmente de acordo com o diâmetro da árvore, ao passo que no igapó, a preferência de epífitas por espécies arbóreas específicas parece exercer maior influência na distribuição horizontal das espécies. As análises de distribuição vertical por zonas ecológicas mostraram que, tanto em várzea como em igapó, a copa interior das árvores apresenta maior riqueza de espécies. Análises de distribuição utilizando a altura da epífita em relação ao solo, junto com o diâmetro da árvore, revelaram grupos de espécies que têm suas distribuições determinadas por esses dois parâmetros, que parecem se relacionar à fisiologia de cada grupo. Nossos achados também mostram que, exclusivamente em florestas de igapó, a inundação influencia grande parte dos padrões de riqueza e distribuição de epífitas, pois limita a ocorrência de espécies na porção onde a árvore é inundada, impedindo a ocorrência de grupos especializados em ocupar a parte basal das árvores. Isto influencia secundariamente a distribuição horizontal, pois determina a distribuição de árvores que são preferidas por epífitas, e parece influenciar a distribuição vertical promovendo um deslocamento da riqueza de epífitas para as partes mais altas das árvores. Argumentamos que a flora epifítica entre várzeas e igapós possui padrões de riqueza similares aos encontrados para a flora arbórea, com uma baixa similaridade de espécies e com a inundação influenciando seus padrões de riqueza e distribuição. Sugerimos que outras pesquisas sejam desenvolvidas em mais áreas de várzeas e igapós para verificar se esses padrões são consistentes ao longo da grande planície de inundação Amazônica. Finalmente, os resultados apresentados esclarecem padrões ecológicos e biogeográficos para epífitas na Amazônia e ajudam em futuros planos de conservação de epífitas e de ecossistemas alagáveis, cada vez mais ameaçados por ações antrópicas.
Abstract: Vascular epiphytes are important elements of the canopy of tropical forests, however, studies focused on the epiphytic component are scarce, most of all in Amazonian flooding forests. This hampers the inclusion of such plant group in conservation action plans and obscures the understanding on the dynamics of flooding ecosystems. In várzea and igapó forests in Central Amazon, we investigates 1121 individuals and approximately 242 arboreal species, from which 343 trees hosted 2922 individuals belonging to 96 species of vascular epiphytes, classified into 59 genera and 13 families. The várzea forest was the more diverse and presented more than the double of species found in igapó forests. Only 15.6% of the species were common to both environments, demonstrating that várzea and igapó contrast in their epiphytes richness and composition. The beta diversity in these environments is mainly generated by species turnover instead of nestedness. The analyses of alpha diversity revealed that tree diameter is positively correlated with epiphyte diversity in both environments, meanwhile, the arboreal and epiphytic diversity are not correlated. On the other hand, distribution analysis showed that, in várzea, epiphytes are horizontally distributed according to tree diameter, while in igapó the horizontal distribution of epiphytes seems to be influenced by the preference of epiphytes in colonizing specific tree species. The analyses of vertical distribution by ecological zones showed that in both várzea and igapó, the inner canopy presented higher species richness. Analyses of distribution using epiphyte height in relation to the soil along with tree diameter showed group of species that have their distribution determined by these two factors and that this pattern seems to reflect the physiology of each group. Our discoveries also show that, exclusively in igapó forests, the flooding cycle influences a great part of the patterns of richness and distribution of epiphytes. The flooding limits the occurrence of species where the tree is submerged, hampering specialized species to occupy the basal portion of the tree. Water level also secondarily influences the horizontal distribution of epiphytes in igapó, because it determines the distribution of trees that are preferred by epiphytes, it also seems to influence in the vertical distribution as it promotes a vertical displacement of epiphyte richness to the higher parts of the trees. We discuss that the epiphytic flora in várzea and igapó have richness patterns similar to the arboreal component of these environments, with a low similarity and the flooding influencing patterns of species richness and distribution. We suggest that other studies should be conducted in other várzea and igapó forests to verify if such patterns are consistent along the great Amazonian floodplain. Finally, the results we present here shed light on ecological and biogeographical patterns for epiphytes in the Amazon and will help in future conservation plans of epiphytes and flooding ecosystems, more and more threatened by anthropogenic actions.
Palavras-chave: Epífitas Vasculares
Florestas Alagáveis
Várzeas
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Departamento: Coordenação de Pós Graduação (COPG)
Programa: Biologia (Ecologia)
Citação: Quaresma, Adriano Costa. Epífitas vasculares em florestas alagáveis de várzeas e igapós de águas pretas da Amazônia Central: padrões de riqueza, composição, diversidade e distribuição de espécies. 2017. 109 f. Tese( Biologia (Ecologia)) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus,2017 .
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2344
Data de defesa: 28-Jul-2017
Aparece nas coleções:Doutorado - ECO

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_Adriano_Final.pdf3,77 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons