Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2577
Tipo do documento: Dissertação
Título: Anatomia testicular e sua influência na hierarquia social do ciclídeoanão Apistogramma Hippolytae (Kullander, 1982)
Autor: Fernandes, Talles Romeu Colaço
Primeiro orientador: Zuanon, Jansen
Primeiro coorientador: Amadio, Sidineia
Segundo coorientador: Duncan, Wallice
Resumo: Algumas espécies de ciclídeos aparentemente passam por mudança de sexo protogínica (de fêmea para macho) em determinado momento do ciclo de vida. Embora o termo protoginia seja usado para mudança de sexo na fase adulta, mudança de sexo prematuracional também foi sugerida para ciclídeos. Em parte, isso decorre do registro da presença de presumíveis oócitos no testículo de alguns ciclídeos, aliado ao comportamento típico de espécies hermafroditas, com machos dominantes restringindo o acesso reprodutivo às fêmeas (ou seja, a mudança de sexo seria influenciada por fatores sociais). No entanto, em espécies de ciclídeos africanos Haplochrominae foram registradas espermatogônias gigantes nos testículos, ao invés de oócitos testiculares. Estas células supostamente aumentam em quantidade com a idade e em gerações de híbridos, sugerindo efeitos de anomalias associadas ao envelhecimento. No presente estudo, registramos a presença de espermatogônias gigantes nos testículos do ciclídeo-anão Apistogramma hippolytae e notamos variações marcantes na proporção destas células nas diferentes fases reprodutivas. Peixes em fase de regressão reprodutiva apresentam maior proporção dessas células, enquanto uma menor proporção é encontrada em indivíduos aptos a liberarem esperma. Esta mesma variação é normalmente encontrada em espermatogônias primárias de teleósteos ao longo do ciclo reprodutivo, o que sugere que espermatogônias gigantes são de fato células germinativas primárias, o que contraria a hipótese de anomalias por envelhecimento. De fato, tais células aumentam em quantidade com o tamanho dos machos de A. hippolytae, mas não há relação entre estas células e a agressividade dos indivíduos. Isso indica que fatores associados ao envelhecimento, que podem afetar a função testicular e agressividade, aparentemente não estão associados ao surgimento de espermatogônias gigantes. Além disso, nossos resultados experimentais indicam que interações sociais também não devem estar relacionadas ao surgimento ou quantidade dessas células nos testículos de A. hippolytae. Por fim, devido estas células ocorrerem comumente em diversas espécies de ciclídeos poligâmicos, sugerimos que o papel destas grandes células esteja associado ao desenvolvimento de espermatozoides maiores e, portanto, mais velozes, para garantir o sucesso reprodutivo nestes grupos que passam por intensa competição espermática.
Abstract: Some species of cichlids apparently undergo protogynous sex change (female to male) at some point in the life cycle. Although frequently used to designate sex change at adulthood, the term protogyny also includes prematuracional sex change, which has been suggested to occur among cichlid fishes. In part, this stems from the record of the presence of purported oocytes in the testis of some cichlids, coupled with the typical behavior of hermaphroditic species with dominant males restricting reproductive access to females (i.e., the sex change would be influenced by social factors). However, giant cells considered to represent testicular oocytes were identified as giant spermatogonia in several species of African Haplochrominae cichlids. These cells are reported to increase in quantity with age and generations of hybrids, which was suggested to represent anomalies associated with aging. In the present study, we recorded the presence of giant spermatogonia in the testes of the dwarf cichlid Apistogramma hippolytae and noticed striking variations in the proportion of these cells along the reproductive stages. Individuals at reproductive regression phase had higher proportion of these cells, while a smaller proportion was found in mature (ready to release sperm) individuals. A similar pattern of quantitative variation in primary spermatogonia is found along the reproductive cycle of teleosts in general, which suggests that giant spermatogonia are indeed primary germ cells and contradicts the hypothesis of aging anomalies. In fact, these cells increase in amount with the size of male A. hippolytae, but there is no relationship between these cells and aggressiveness of individuals. This indicates that factors associated with aging that may affect testicular function, hormonal levels, and aggression apparently are not associated with the amount of giant spermatogonia. Our experimental results also indicate that social interactions are apparently not related to the occurrence or amount of such cells in the testes of A. hippolytae. Finally, we review the occurrence of giant spermatogonia among cichlid species and suggest a possible association of these cells with the polygamous mating system.
Palavras-chave: Espermatogônia gigante
Fase reprodutiva
Apistogramma
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Departamento: Coordenação de Pós Graduação (COPG)
Programa: Biologia de Água Doce e Pesca Interior
Citação: Fernandes, Talles Romeu Colaço. Anatomia testicular e sua influência na hierarquia social do ciclídeoanão Apistogramma Hippolytae (Kullander, 1982). 2016. [71 f.]. Dissertação( Biologia de Água Doce e Pesca Interior) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, [Manaus] .
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2577
Data de defesa: 9-Ago-2016
Aparece nas coleções:BADPI - Msc

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Talles Versão Final Versão.pdf1,66 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar    Solictar uma cópia


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons