Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2809
Tipo do documento: Dissertação
Título: Número de túbulos de Malphigi e número de gânglios nervosos em seis espécies de Meliponina (Hymenoptera, Apidae)
Autor: Costa, Klilton Barbosa da
Primeiro orientador: Carvalho Zilse, Gislene Almeida
Resumo: As abelhas brasileiras sem ferrão ou meliponíneos pertencem à Superfamília Apoidea. Elas são responsáveis pela polinização de, aproximadamente, 90% das flores presentes na floresta amazônica e elaboram produtos muito apreciados e largamente comercializados: o mel, o pólen e a própolis, todos com grande valor de mercado. O estudo da morfologia interna dos túbulos de Malpighi de larvas e adultos de abelhas teve início com Snodgrass, 1956 estudando Apis mellifera mostrando que a larva tem 4 túbulos de Malpighi enquanto que os adultos algumas dezenas. Kerr e Maria Luiza Silveira encontraram 4 túbulos de Malpighi em larvas pré-defecantes de Melipona quadrifasciata e 8 túbulos em Melipona rufiventris sugerindo variação desse número em espécies do mesmo gênero. A morfologia interna dos gânglios nervosos ventrais de pupas de olho branco foi alvo de estudo de Kerr e Nielsen (1966) encontrando 4 gânglios em pupas de rainha e 4 ou 5 gânglios em pupas de operárias e no total de indivíduos analisados houve a segregação de 3 pupas com 5 gânglios para 1 pupa com 4 gânglios, confirmando a proposta de Kerr (1946) de um mecanismo genético-alimentar para determinação de castas em Melipona. O objetivo deste trabalho foi caracterizar e quantificar os túbulos de Malpighi em seis espécies de Meliponina (Melipona seminigra, M. compressipes, M. rufiventris, Scaptotrigona sp, Frieseomelitta sp e Trigona williana) e determinar o número de gânglios nervosos ventrais, assim como verificar a segregação de castas quanto ao número de gânglios ventrais entre pupas de olho branco nas espécies de Melipona. As larvas, pupas de olho branco e adultos foram dissecadas para retirada dos túbulos e gânglios ventrais e contagem do seu número sob lupa. Os resultados mostraram que existe diferença no número de túbulos de Malpighi nas espécies e entre as larvas e adultos das espécies. Em todas as espécies as operárias apresentaram 4 ou 5 gânglios e as rainhas 4 gânglios, excetuando as espécies do grupo Trigona onde nenhum exemplar de rainha foi analisado.
Palavras-chave: Abelhas sem ferrão -- Morfologia
Gânglios nervosos abdominais
Hymenoptera
Túbulos de Malpighi
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Programa: Ciências Biológicas (Entomologia)
URI: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2809
Data de defesa: 2004
Aparece nas coleções:Mestrado - ENT

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
klilton barbosa.pdf9,05 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.