Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2831
Tipo do documento: Dissertação
Título: Efeito do ácido indolbutírico sobre o enraizamento de estacas de camu-camu (Myrciaria dubia (H.B.K.) McVaugh)
Autor: Veiga, Josephina Barata da
Primeiro orientador: Yuyama, Kaoru
Resumo: O camu-camu (Myrciaria dubia), Myrtaceae, é uma planta nativa da região amazônica encontrada às margens de rios e lagos, que possui grande importância econômica devido ao alto teor de ácido ascórbico (vitamina C) nos frutos, além de outros componentes. É uma espécie em processo de domesticação e há a necessidade de desenvolver técnicas de cultivo e material melhorado para a produção de mudas com fins de manejo intensivo e comercial. Este trabalho teve como objetivo avaliar a produção de mudas de camu-camu, por meio de estaquia, utilizando diferentes tipos de estacas e concentrações do Ácido Indolbutírico (AIB). As estacas foram obtidas dos ramos de plantas com seis anos de idade cultivadas em área de terra firme na Fazenda Yuricam. Os experimentos foram conduzidos em câmara de nebulização instalada em casa de vegetação nos meses de abril (ensaio preliminar) e julho (ensaio definitivo) de 2003. Para o plantio das estacas utilizou-se serragem como substrato. O delineamento experimental foi de blocos casualizados em esquema fatorial 4X4 com quatro repetições (10 estacas por repetição). Os fatores analisados foram tipos de estacas herbáceas com folhas, herbáceas sem folhas, diâmetros 3 = 5 sem folhas, 5 mm sem folhas e concentrações de AIB: 0, 100, 200 e 300 ppm em tempo de imersão um segundo no experimento de abril (ensaio preliminar) e cinco segundos no experimento de julho (ensaio definitivo). Os parâmetros avaliados nos dois ensaios foram: emissão de brotos aos 30, 60 e 90 dias, formação e comprimento de ramos aos 60 dias, emissão e comprimento de raízes aos 90 dias. Nos dois experimentos, os tratamentos com AIB não foram significativos (p 0,01), por outro lado verificou-se que as estacas com diâmetro 5 mm apresentaram as maiores porcentagens de emissão de brotos, o que ocorreu aos 30 dias e foi de 71,09% (ensaio preliminar) e 78,92% (ensaio definitivo). A mesma tendência foi observada para a formação de ramos onde estas estacas mostraram resultados de 46,44% e 41,14% no ensaio preliminar e no ensaio definitivo, respectivamente. Para o caráter enraizamento, verificou-se que as estacas herbáceas com folhas foram as que apresentaram maiores percentagens, sendo 35,64% no ensaio preliminar e 25,62% no ensaio definitivo. Com base nos resultados é possível inferir que a aplicação do AIB não favoreceu o enraizamento de estacas de camu-camu.
Palavras-chave: Ácido indolbutírico
Camu-camu -- Mudas
Camu-camu -- Propagação por estaquia
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Programa: Ciências Biológicas (Botânica)
URI: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2831
Data de defesa: 2004
Aparece nas coleções:Mestrado - BOT

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
josephina barata da veiga.pdf5,54 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.