Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2839
Tipo do documento: Tese
Título: Aspectos ecofisiológicos e ecotoxicológicos em espécies da ictiofauna do rio Negro, Amazônia, com ênfase na regulação iônica e na importância das substâncias húmicas
Autor: Matsuo, Aline Yuri Otsuki
Primeiro orientador: Val, Adalberto Luís
Resumo: O objetivo geral deste trabalho foi avaliar aspectos da regulação iônica em espécies de peixes do rio Negro, Amazônia. O rio Negro, tipicamente caracterizado pela acidez, baixa concentração de íons e elevada concentração de substâncias húmicas (SH), apresenta uma ictiofauna especializada para sobrevivência em tais condições. Este estudo procurou enfatizar o efeito biológico das SH nos processos adaptativos, além de avaliar aspectos ecotoxicológicos. Os resultados indicaram que as espécies do rio Negro são capazes de transportar íons como o Na+ e Ca²+ em taxas elevadas, sendo que a afinidade destes íons nos sítios transportadores é consideravelmente alta, corroborando estudos anteriores. A acidez (pH~3,5) inibe o transporte de Ca²+; entretanto, na presença de SH, este efeito é reduzido. Isto sugere uma função fisiológica das SH em sustentar taxas de transporte de íons elevadas, o que no contexto das águas ionicamente pobres do rio Negro, representa um aspecto positivo. A aclimatação das espécies às SH provou ser um fator essencial para a avaliação destes processos fisiológicos. O efeito do cobre e do cádmio na regulação iônica foi avaliado em uma espécie-modelo, o tambaqui. O cobre, cuja toxicidade reflete-se no transporte de Na+ pela inibição da Na-K+ATPase, afetou somente o transporte paracelular em tambaqui, indicado pelo aumento no efluxo difusivo de Na+. Não houve nenhuma inibição no influxo de Na+ em tambaqui, indicando uma extrema tolerância da espécie ao cobre, em concentrações da ordem de 400 µg.1-¹. O cádmio, por outro lado, afeta o transporte de Ca²+ pela inibição da Ca²+ ATPase. A espécie apresentou inibição no influxo de Ca²+ em tambaqui em concentrações da ordem de 10 µg.1-¹. Tambaqui submetido à exposição aguda ao petróleo apresentou alterações na dinâmica do transporte de Na+. O biomarcador CYP1A provou ser uma ferramenta sensível para a avaliação da toxicidade a este contaminante na referida espécie. Por outro lado, o uso de CYP1A como biomarcador de exposição a compostos de petróleo deve ser considerado com cautela dentro do contexto da Amazônia, uma vez que as SH em si também foram capazes de induzir a CYP1A.
Palavras-chave: Ecotoxicologia
Regulação iônica
Peixes -- Amazônia -- Fisiologia
Peixes -- Amazônia -- Ecologia
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Programa: Agricultura no Trópico Úmido (ATU)
URI: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2839
Data de defesa: 2004
Aparece nas coleções:Doutorado - BADPI

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Aline.pdf23,22 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.