Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2889
Tipo do documento: Dissertação
Título: Colonização por peixes no folhiço submerso: implicações das mudanças na cobertura florestal sobre a dinâmica da ictiofauna de igarapés na Amazônia Central
Autor: Mortati, Amanda Frederico
Primeiro orientador: Venticinque, Eduardo Martins
Resumo: A ictiofauna de igarapés de terra firme na Amazônia Central mantém estreita relação com a vegetação ripária, pois depende energética e estruturalmente do material orgânico originado da floresta. Os bancos de folha, formados em remansos ou zonas de maior correnteza, são colonizados por uma rica fauna que busca nesses locais abrigo ou alimento. Neste sentido, procurei avaliar se o tamanho dos igarapés e o tipo de cobertura vegetal de suas áreas de entorno poderiam alterar a disponibilidade dos bancos de folhiço e interferir na dinâmica do processo de colonização pela ictiofauna associada. Assim, utilizei 22 igarapés distribuídos em áreas de floresta primária, capoeira e pastagem, localizados 80km ao norte de Manaus. Nestes locais, desenvolvi um experimento de colonização durante 120 dias, com oito sacos de folhas por microhabitat (remansos e correntezas). Também coletei dados sobre profundidade, largura, vazão e substrato dos igarapés, e sobre a fragmentação das folhas submersas. As porcentagens de mata primária, nas áreas de entorno destes igarapés, foram obtidas a partir de uma imagem do satélite Landsat TM5 da área de estudo. Os dados revelaram que a colonização pela comunidade de peixes está relacionada às características qualitativas dos bancos de folhiço, onde os bancos localizados em remansos foram mais colonizados e apresentaram menor velocidade de fragmentação das folhas. Consequentemente, a estrutura tridimensional dos bancos foi mantida por mais tempo em áreas de remanso e nos igarapés pequenos, onde a vazão é menor. Portanto, o tipo de microhabitat e a vazão são dois fatores importantes na manutenção da dinâmica do sistema. A abertura do dossel, a densidade do sub-bosque e as porcentagens de cobertura florestal foram parâmetros adequados para caracterizar as alteração na vegetação. Houve menor probabilidade de colonização dos bancos de folhiço submerso pela ictiofauna em áreas com retirada de floresta primária no entorno dos igarapés, as quais apresentaram maior abertura de dossel e densidade do sub-bosque. Os resultados sugeriram que florestas ripárias preservadas agem como zonas tampão, protegendo os sistemas aquáticos. Além disso, a preservação deve ser planejada para todo o ecossistema, para manter os habitats e a fauna associada, e incrementar a conectividade da paisagem.
Palavras-chave: Peixes -- Ecologia -- Amazônia
Peixes -- Populações -- Amazônia
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Sigla da instituição: INPA
Programa: Biologia (Ecologia)
URI: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/2889
Data de defesa: 2004
Aparece nas coleções:Mestrado - ECO

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
amanda_dissertação.pdf2,45 MBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.